terça-feira, 7 de maio de 2013

Gigante nuvem de gás em NGC 6240



(Astronomia On Line - Portugal) Cientistas usaram o Chandra para fazer um estudo detalhado de uma enorme nuvem de gás quente, envolvendo duas grandes galáxias em colisão. Este invulgarmente grande reservatório de gás contém tanta massa como 10 mil milhões de Sóis, estende-se por cerca de 300.000 anos-luz, e irradia a uma temperatura de mais de 7 milhões Kelvin.

Esta nuvem gigante de gás, a que os cientistas chamam de "halo", está localizada no sistema chamado NGC 6240. Os astrónomos há muito que sabem que NGC 6240 é o local de uma fusão de duas grandes galáxias espirais similares em tamanho com a nossa Via Láctea. Cada galáxia contém um buraco negro supermassivo no seu centro. Os buracos negros estão a espiralar em direcção um ao outro, e poderão eventualmente fundir-se para formar um buraco negro ainda maior.

Outra consequência da colisão entre galáxias é que o gás contido em cada galáxia individual foi violentamente agitado. Isto provocou um "baby boom" de novas estrelas que durou pelo menos 200 milhões de anos. Durante esta explosão de nascimento estelar, algumas das estrelas mais massivas evoluíram muito rapidamente e explodiram relativamente depressa como supernovas.

Os cientistas envolvidos neste estudo argumentam que essa onda de explosões dispersou quantidades relativamente altas de elementos importantes, tais como oxigénio, néon, magnésio e silício para o gás quente das galáxias recém-combinadas. De acordo com os investigadores, os dados sugerem que este gás enriquecido lentamente expandiu-se e misturou-se com gás mais frio que já lá estava.

Durante este "baby boom" prolongado, ocorreram rajadas mais curtas de formação estelar. Por exemplo, a mais recente explosão de formação estelar durou cerca de cinco milhões de anos e ocorreu há 20 milhões de anos. No entanto, os autores não acham que foi produzido gás quente nesta rajada menor.

O que é que o futuro reserva para observações de NGC 6240? Muito provavelmente as duas galáxias espirais irão formar uma jovem galáxia elíptica ao longo de milhões de anos. Não é claro, no entanto, quanto do gás irá ser retido nesta galáxia recém-nascida, em vez de se perder para o espaço circundante. Independentemente disso, a colisão oferece uma oportunidade para presenciar uma versão relativamente próxima de um evento que era comum no início do Universo, quando as galáxias estavam muito mais juntas e se fundiam com mais frequência.

Nesta composição de NGC 6240, os raios-X do Chandra que revelam a nuvem de gás quente têm tons púrpura. Estes dados foram combinados com dados ópticos obtidos pelo Telescópio Espacial Hubble, que mostram longas caudas de maré das galáxias em fusão, estendendo-se para a direita e para baixo na imagem.

O artigo que descreve estes novos resultados está disponível online e foi publicado na edição de 10 de Março da revista Astrophysical Journal.
----
E mais:
Um envelope quente e colossal (Cassio Leandro Dal Ri Barbosa - G1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário